E-commerce- Como começar um negócio online? Parte ||

Como-começar-um-negocio-online-ecommerce-link37-agencia-marketing-digital-parte||

Parte ||

Primeiramente abordámos os conceitos centrais do e-Commerce, nesta segunda parte do artigo abordamos outros pontos importantes sobre o assunto.

“O bom conteúdo é a melhor ferramenta de vendas do mundo.” – Marcus Sheridan

Como anteriormente dito, o número de empresas que operam online aumentou exponencialmente nos últimos anos, surgindo uma grande preocupação, por parte das marcas, em conseguirem uma presente online notória.

Tabela de conteúdos

  1. Tipos de produtos que surgem com o e-Commerce
  2. No e-commerce, devo optar por uma comunicação multicanal?
  3. Será que o Voice Search é a favor do e-Commerxe?
  4. Social shopping: o poder das lojas nas redes sociais.
  5. O que esperar do E-commerce em 2021?

1. Tipos de produtos que surgem com o e-Commerce

Com o surgimento do e-Commerce, surgiram as primeiras lojas online, assentes no simples conceito “vender produtos online de forma simples e cómoda”. Posto isto, as primeiras lojas de e-Commerce eram de negócios acompanhados por uma loja física, que interpretaram o e-Commerce como uma nova forma de comunicação e de venda, tal como casos de lojas de roupa e calçados, lojas de tecnologia, hipermercados, entre outros… 

Com o desenvolvimento desta temática, o e-Commerce passou a ser considerado como um modelo de potencial inovação e lançamento de novos produtos e serviços, em que muitos só podem ser comercializados em formato e-Commerce. Em Portugal, marcas como a Prozis, Wook foram pioneiras desta inovação, expandido novos formatos de negócio para o nosso mercado. Deste modo, as lojas e-Commerce conseguem potenciar a marca, o negócio e o alcance maior para novos projetos e ideias.

Com o surgimento das lojas virtuais, os negócios deixam de ter a necessidade de possuírem um espaço físico, começando a comprar pela internet. Consequentemente desenvolve-se ideias como:

  • Infoprodutos;
  • Workshops e consultoria online;
  • E-books;
  • Consumo de vídeo online;
  • Serviços de aluguer;
  • Cursos online;
  • Personalização de produtos;
  • Acompanhamento personalizado à pesquisa do cliente;
  • Entre outras…

 

Dropshipping é o recente conceito associado ao e-Commerce, este é um conceito de negócio que o vendedor se torna num mero intermediário, entre o fornecedor e o consumidor final. Isto é, o cliente final realiza o pedido de uma encomenda na loja do vendedor e esta é enviada automaticamente do Fornecedor para o cliente final, sem nunca passar pelo Vendedor. 

2. No e-commerce, devo optar por uma comunicação multicanal?

Uma estratégia multicanal é sempre benéfica no alcance, retenção e fidelização do um consumidor digital que já é por si, multicanal. Mais importante que o alcance que é possível proporcionar, é a experiência do consumidor em cada um dos canais, pelo que a gestão eficiente dos conteúdos e a consistência da marca é fundamental para garantir uma experiência única e memorável. Se não houver grande capacidade de investimento inicial é necessário perceber onde está presente a sua persona/cliente alvo e fazer opções em que canais investir, priorizando sempre a experiência do cliente.

A inteligência artificial por voz cada vez mais é considerada uma das tendências mais revolucionárias que o eCommerce deverá acompanhar. Siri, Alexa, Google Assistant, Bixby ou Cortana são alguns dos assistentes de voz mais desenvolvidos, que quando integrados com plataformas de eCommerce, satisfazem os pedidos mais excêntricos e originais. Estes permitem ainda reinvenção de toda a experiência de compra, de uma forma mais acessível, facilitando verdadeiramente a vida das pessoas, através de uma união entre tecnologia e humanização.

Deste modo, surge uma questão extremamente importante “Será que podemos utilizar Voice Search a favor do eCommerxe?”

Primeiramente temos de compreender o cliente, de forma a perceber como, quando e onde a utiliza esta tecnologia e em que circunstâncias naturais podemos responder às suas necessidades de forma orgânica.

Cinco dicas que podem ajudar:

  1. Como é que a marca está posicionada relativamente à concorrência?
    A marca deve estar posicionada de forma a poder prestar um serviço de assistência por voz único e diferenciado. A melhor forma de o fazer é saber como podemos tirar partido desta tecnologia.
  2. Será que o site está otimizado para Voice Search?
    Temos que dar respostas às perguntas feitas pelos utilizadores, pelo que é fundamental ter o conteúdo otimizado com a finalidade de responder diretamente às perguntas mais longas e particulares que estes colocam. Assim sendo, é essencial ter uma boa estratégia de SEO para conseguirmos ser mais rápidos do que a concorrência, trabalhando não só́ as palavras-chave long tail, como também usando frases interrogativas, iniciando este processo pela página das FAQ’s.
  3. Será que o site está otimizado para Voice Search?
    A regra base de SEO é valida para Voice Search, ou seja, a velocidade de carregamento das páginas é um facto determinante para uma melhor classificação nas pesquisas de voz.
  4. O site é responsive?
    Devido ao peso que esta tecnologia tem adquirido, não devemos adiar mais a reestruturação da navegação do site em mobile.
  5. A empresa já́ tem uma página no Google My Business?
    Há um crescimento gradual nas pesquisas de produtos e serviços locais, assim sendo, ter esta página com informação e imagens atualizadas é um passo simples e acessível para a marca ser encontrada por voz.

Esta tecnologia inovadora, Voice Search, veio mudar completamente o comportamento de pesquisa. Posto isto, qualquer fase em que se encontre o negócio de eCommerce, é importante canalizar toda a energia na otimização do site para pesquisas de voz.

4. Social shopping: o poder das lojas nas redes sociais.

Devido ao contínuo crescimento das redes sociais e ao facto de os utilizadores passarem mais tempo nestas, há uma grande vontade por parte das marcas a quererem lá estar. Deste modo as grandes plataformas mundiais continuam a desenvolver novas formas das marcas chegarem aos seus potenciais consumidores.

Durante 2020 há um aumento explosivo do comércio eletrónico, que reforça a importância de as marcas investirem em mais experiências de social shopping. Deste modo prevê-se que o social shopping continuará em crescimento em 2021, sendo uma das áreas onde as marcas, com eCommerce, devem arriscar.

O social shopping do marketing consiste na criação de lojas dentro das plataformas e onde se vendem os produtos diretamente nas redes sociais, finalizando a venda na própria plataforma. Contudo as marcas para terem sucesso no social shopping, terão de definir uma estratégia clara e definida, utilizando os canais certos para se relacionarem com seu público-alvo.

O Facebook e Instagram são bons lugares para iniciar este desenvolvimento de estratégias de social shopping, pois estas têm vindo a criar condições propícias para testar e aprender, com as suas lojas virtuais e os chatbots.

Especialmente no Instagram o desenvolvimento de uma loja virtual será uma excelente aposta, dado que é uma das redes sociais que mais cresce e, de acordo com o próprio Instagram, 60% das pessoas descobrem novos produtos na sua plataforma. Portanto marcas que já possuem lojas no Facebook, devem ter em consideração o Instagram Shopping.

Esses canais simbolizam enormes oportunidades de negócio, uma vez que 72% dos usuários do Instagram dizem que compraram um produto que viram na própria rede social. Se a finalidade é vender, as marcas devem aproveitar esta oportunidade. Assim sendo, quem tem um eCommerce e ainda não criou ou otimizou uma loja virtual nas redes sociais, está a perder dinheiro!

5. O que esperar do e-commerce em 2021?

Convém salientar que o estímulo que se tem verificado nos últimos tempos no ecossistema digital é uma tendência que se vai intensificar nos próximos anos, como forma de dar resposta às exigências dos novos hábitos dos consumidores, especialmente num contexto de pandemia mundial. O potencial de crescimento depende da capacidade de investimento na otimização dos websites, simplicidade de utilização e da boa experiência de compra, num país ainda muito caracterizado por uma elevada iliteracia digital.

Vejamos o exemplo da Hoogloo e a forma como reagiu às dificuldades demonstradas pelas grandes cadeias de supermercados em Portugal.

Numa altura em que as compras em grandes supermercados representam a maior quota de mercado online em Portugal, mas que ainda apresentam muitas fragilidades na capacidade de resposta, como os prazos previstos para entrega, a Hoogloo destaca-se pelo compromisso da rapidez de entrega, aliado à conveniência e na simplicidade ao longo do processo de compra: “Um supermercado online com um serviço de entregas como deve ser” é descrito na missão da empresa

Como-começar-um-negocio-online-ecommerce-hoogloo-link37-agencia-marketing-digital

O principal desafio deste mercado para as marcas passa em ir ao encontro das necessidades de compra do consumidor, ultrapassar alguns receios de segurança, desenvolvendo uma oferta específica, clara e intuitiva para a compra online. 

O e-commerce veio para ficar e vale a pena o investimento. Existem grandes oportunidades para as empresas portuguesas se desenvolverem e crescerem online. 

A Link37 conta com um grupo de especialistas dispostos a ajudá-lo a implementar as melhores estratégias para aumentar a sua presença online. Marque uma reunião connosco e descubra como podemos alavancar o seu negócio. 

One thought on “E-commerce- Como começar um negócio online? Parte ||

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *